Rafaela Silva é bronze no Mundial de Judô em Tóquio

Brasileira derrotou Sarah Leonie Cysique, da França, para alcançar sua terceira medalha em Mundiais

Foto: CBJ


Nessa terça (27), na terra do judô, Rafaela Silva, mais uma vez, sai do tatame com uma conquista na bagagem: a medalha de bronze. A brasileira alcançou o terceiro lugar no Mundial de Tóquio após vencer a francesa Sarah Leonie Cysique, na arena Nippon Budokan, chegando à sua terceira medalha individual em Mundiais (prata em Paris, 2011, e ouro no Rio, em 2013). Rafaela ainda tem, também, a medalha de prata por equipes feminina no Rio 2013 e por equipes mistas em Budapeste 2017.


A jovem francesa entrou disposta a dificultar a vida da judoca brasileira, tentando neutralizar os movimentos e fazer uma pegada na manga esquerda de Rafa, que é canhota. Porém, Rafaela marcou um waza-ari e se manteve à frente no placar até o final. Nem mesmo as duas punições sofridas foram suficientes para tirar a medalha de bronze da brasileira.

"Estou muito feliz com a minha competição, estou evoluindo e fazendo boas competições durante o ano. Agora é manter o trabalho, o foco porque ainda tem muitas competições até a Olimpíada", avaliou Rafaela, que enxerga uma grande evolução na categoria leve feminina.

"É difícil falar que o pódio irá se repetir no ano que vem, mas tem muitas atletas novas chegando, com qualidade e surpreendendo. Então, eu posso ou não estar no pódio, mas tenho certeza que o que fará a diferença lá na frente será o detalhe", finalizou a judoca.


A caminhada de Rafa até o bronze

Rafaela Silva estreou nesta madrugada diante da marfinense Zouleiha Dabonne e desde o início fez valer o favoritismo, e venceu a luta por ippon com duas projeções (waza-ari-awasete-ippon), avançando para as oitavas de final.

Telma Monteiro, medalhista olímpica e mundial, foi a adversária nas oitavas. Rafaela estudou a adversária e aproveitou as oportunidades para marcar um waza-ari e forçar três punições à oponente, vencendo o confronto.

Já nas quartas de final, a adversária foi a russa Daria Mezhetskaia. A brasileira forçou uma punição por passividade no início do confronto e induziu a adversária para as suas armadilhas. Nos contra-golpes, Rafaela garantiu a vaga nas semifinais com um waza-ari e um ippon.

A "final antecipada" foi diante da japonesa Tsukasa Yoshida. Atual campeã mundial e atuando diante de sua torcida, Yoshida fez um grande embate com a brasileira. A luta foi para o golden score e Rafaela acabou sofrendo um ippon da anfritriã, definindo sua participação no Mundial na disputa da medalha de bronze contra a francesa Sarah Leonie Cysique. Na disputa do terceiro lugar, a atual número quatro do mundo marcou um waza-ari e controlou a luta até o final, mesmo tendo duas punições.

2 visualizações

​​​​© 2020 desenvolvido por Market21 Comunicação - Todos os direitos reservados