Pedro Almeida: "Vamos para o Pan com muita força"

Atualizado: 29 de Jul de 2019

Cavaleiro, que falou ao Poliesportivo com exclusividade, estreia na competição no próximo dia 28

Crédito da foto: Jane Monteiro

Neste final de semana terá início os Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru. Uma das esperanças de medalha é o cavaleiro Pedro Almeida, no hipismo, que competirá na categoria adestramento individual e por equipes, representando o Brasil ao lado de João Paulo dos Santos, João Victor Oliva, Leandro da Silva e Mauro Pereira.


"O Brasil nunca teve um time tão forte em small tour. Vamos para o Pan com muita força. Se o time mantiver as notas dos CDI's (Concursos de Dressage Internacional) nos Jogos de Lima, podemos trazer a medalha”, afirmou o cavaleiro.


Pedro, de 25 anos, chega ao Peru com marcas expressivas e títulos importantes na carreira. Foi campeão brasileiro Sênior Top 2015 e vice-campeão 2017; conquistou o Prêmio Hipismo Brasil da Confederação Brasileira de Hipismo em 2009 e participou dos Jogos Equestres Mundiais da Normandia 2014, de Tryon 2018 e das Olimpíadas do Rio 2016.


O cavaleiro, que concilia a vida de atleta com seu empreendimento no setor de bebidas, envolveu-se muito cedo com o esporte por influência de seus pais. Manuel, seu pai, é criador de cavalos da raça Puro Sangue Lusitano e sua mãe, Thereza, é praticante da modalidade. Assim como Pedro, os outros três filhos do casal (Luiza, Manoel e Thaisa) também seguiram a carreira no hipismo.


Às vésperas do Pan, Pedro Almeida concedeu uma entrevista exclusiva ao Poliesportivo, onde falou sobre sua história e carreira.


Confira:


Poliesportivo: Como tem sido sua rotina de preparação para o Pan?


Pedro Almeida: Os treinos são diários, de segunda a segunda, na Hípica Paulista (SP), junto com o Aoleo (cavalo).


P: Como você faz para conciliar a carreira de atleta com o seu empreendimento no ramo de bebidas?


PA: Na parte da manhã, bem cedo, treino na Hípica. O restante do dia dedico à empresa. Não é fácil porque acabo abrindo mão de algumas coisas, mas sempre vale a pena, pois estou me dedicando ao esporte que amo muito.


P: O que o levou a se estabelecer na categoria de adestramento?


PA: Comecei nas competições aos nove anos, pela modalidade típica do "lusitano equitação de trabalho". Depois competi no salto e adestramento. Acabei me estabelecendo no adestramento justamente por ser a base estrutural de todas as categorias do hipismo. Além do mais, a interação cavaleiro/cavalo me encanta.


P: Em um país que tem o futebol como primeiro esporte, você teve algum tipo de dificuldade para iniciar a trajetória no hipismo ou o fato de ter uma família envolvida com a modalidade facilitou na escolha?


PA: O envolvimento familiar facilitou. De forma natural, nós quatro, eu e meus irmãos, nos apaixonamos pelo esporte. Todas as minhas lembranças infantis estão ligadas à fazenda e aos cavalos.



Crédito da foto: Arquivo pessoal

P: Como você avalia o apoio ao hipismo no Brasil em relação a patrocínios e preparação de novos atletas?


PA: Apoios e patrocínios ainda são tímidos, pois as marcas priorizam os esportes mais populares. É preciso um trabalho intenso. Ainda caminhamos em passos lentos, mas chegaremos lá. A imprensa tem papel importante nisso.


P: Como funciona o treinamento de adestramento e quais os tipos de cuidado que se deve ter com o cavalo?


PA: O esporte requer muita técnica e equilíbrio. Os treinos envolvem a repetição de movimentos isolados do conjunto (cavalo e cavaleiro). Uma sequência de exercícios (reprises) nas três andaduras naturais do cavalo (passo, trote e galope). Para explicar a um leigo, é um esporte que se assemelha ao nado sincronizado. É preciso uma série de movimentos estabelecidos. Todos os atletas precisam fazer estes movimentos, os quais receberão notas de zero a dez. A avaliação do conjunto é feita por três ou cinco juízes que se distribuem ao redor da pista, que mede 20m de largura por 60m de comprimento. Os conjuntos são divididos em séries e categorias, conforme o grau técnico de atletas e cavalos. O desenvolvimento do cavalo acontece a partir de uma educação harmoniosa, ginástica progressiva e racional associada à preparação física e mental dele. Tudo voltado para que nas competições o animal se apresente calmo, flexível e compenetrado ao comando do cavaleiro.

​​​​© 2020 desenvolvido por Market21 Comunicação - Todos os direitos reservados