Ginástica brasileira encerra 2019 comemorando conquistas inéditas

Ouro de Arthur Nory na barra fixa no Mundial de Stuttgart (ALE) e campanha histórica no Pan de Lima (PER) estão entre os principais resultados dos brasileiros. Em 2020, o foco é a Olimpíada de Tóquio

Foto: CBG


A temporada de 2019 se encerrou da melhor maneira possível para a Ginástica do Brasil. Foram vários resultados expressivos, em especial nas três modalidades olímpicas (Artística, Rítmica e Trampolim).


Coube à Ginástica Artística masculina alcançar o principal resultado de 2019. No Mundial de Stuttgart (ALE), em setembro, Arthur Nory levou a medalha de ouro na barra fixa. Foi a primeira vez que o Brasil conquistou o título mundial neste aparelho, chegando a 14 medalhas obtidas na história da competição.


Ainda na Alemanha, a equipe masculina alcançou o principal objetivo na temporada, ao assegurar a classificação para a Olimpíada de Tóquio/2020, ao finalizar a competição em 10º lugar. No feminino, Flavia Saraiva também obteve a vaga olímpica no Individual Geral e ficou muito próxima do pódio na final do solo, ao terminar em quarto lugar.


A Ginástica Artística também fez bonito nos Jogos Pan-Americanos de Lima/2019, realizado entre o final de julho e o começo de agosto. Com 11 medalhas conquistadas (quatro de ouro, quatro de prata e três de bronze), o Brasil terminou a competição na liderança do quadro de medalhas pela primeira vez, fato que apenas Estados Unidos e Cuba já conseguiram.


E os bons resultados também vieram na base. Em junho, foi realizado em Gÿor, na Hungria, a primeira edição do Campeonato Mundial Junior, e o Brasil não passou em branco. Com Diogo Soares, principal nome da nova geração, a Ginástica Artística brasileira ficou com a medalha de prata nas argolas, tendo alcançado ainda cinco finais.

Na Ginástica Rítmica, o Brasil também tem motivos para comemorar 2019. Os melhores resultados vieram no Pan-Americano de Lima, quando a Seleção Brasileira de Conjunto, com uma equipe renovada e de baixa média de idade, manteve a tradição de sempre conquistar uma medalha de ouro em Pans, desta vez na série mista (três arcos e dois pares de maças), além de dois bronzes (geral e na série de cinco bolas). No Individual, duas atletas subiram ao pódio em Lima: Natalia Gáudio foi bronze no individual geral, enquanto Barbara Domingos levou a prata na prova da fita.


No Mundial de Baku, em setembro, as brasileiras voltaram para casa com saldo positivo. Barbara Domingos alcançou a melhor colocação na história no individual, ao terminar em 31º lugar e por muito pouco não alcançando uma inédita final do individual geral. Já Natalia Gáudio alcançou sua melhor nota do ano na prova das maças (19,950). O Conjunto terminou a competição em 13º lugar, melhorando em cinco posições em relação do Mundial de 2018.

A Ginástica Trampolim teve como principal momento em 2019 sua participação no Campeonato Mundial, realizado no final de novembro em Tóquio, no Ariake Gymnastics Centre, mesmo local que receberá as competições de Ginástica na Olimpíada. No Trampolim individual, Camilla Lopes chegou até à semifinal e repetiu o desempenho do Mundial de 2018, terminando em 14º lugar. No sincronizado, Camilla e Alice Gomes ficaram muito perto de uma inédita medalha, terminando em quarto lugar, melhor resultado da história da modalidade na competição.

0 visualização

​​​​© 2020 desenvolvido por Market21 Comunicação - Todos os direitos reservados