Brasil derrota Argentina e garante o bicampeonato invicto do Sul-Americano Sub-21 Masculino

Campanha brasileira nesta competição foi perfeita, com 100% de aproveitamento

Divulgação

A Seleção Brasileira conquistou o bicampeonato Sul-Americano Sub-21 Masculino ao derrotar a Argentina, com autoridade, neste sábado (17 de agosto), por 80 a 59 (38 a 21 no primeiro tempo), em jogo final realizado no Coliseo Cubierto San Antonio, na cidade de Tunja, na Colômbia. E a equipe comandada pelo técnico Leonardo Figueiró chegou ao título de forma invicta.


O jogo começou equilibrado, com a equipe argentina conseguindo ligeira vantagem no quarto inicial, mas como aconteceu ao longo da competição, o Brasil cresceu bastante de produção no segundo quarto e, além de conseguir a virada, abriu boa diferença no placar, graças à forte marcação e ao ataque bem concatenado, que não deixou o adversário respirar – 15 a 16 (primeiro) e 23 a 05 (segundo).


No terceiro período, a Argentina equilibrou as ações e ficou ligeiramente na frente, como ocorreu no quarto inicial, o que não alterou muito o panorama a da partida. Nos dez minutos finais, o selecionado nacional voltou ao seu ritmo e não deu chances ao adversário, dominando as ações para vencer sem sobressaltos e convencer, garantindo o bicampeonato sul-americano da categoria – 16 a 17 (terceiro) e 26 a 21 (quarto).


“Conseguimos um excelente rendimento nessa final, pois fizemos tudo aquilo que havia sido pedido pelo Leonardo Figueiró, além de jogarmos com muita determinação e de forma coletiva. A equipe marcou muito forte e atacou dentro do que foi trabalhado”, analisou o pivô Dikembre André, eleito o jogador mais valioso da competição (MVP).

“A nossa união foi determinante, pois todos os jogadores se ajudaram dentro de quadra, pensando no bem comum da equipe. Com isso, conseguimos superar um adversário tradicional e garantimos o bi, jogando bem”, acrescentou o lateral Guilherme Abreu.


“O trabalho foi maravilhoso, pois os jogadores estiveram compenetrados durante os treinamentos e jogos e, com isso, as coisas fluíram de acordo com o planejado e fomos crescendo ao longo da competição. Agradeço à CBB pela oportunidade de comandar essa equipe e de atuar ao lado dessa comissão técnica sensacional”, complementou o técnico Leonardo Figueiró.


Jogaram pela Seleção Brasileira: 02. Caio Pacheco (05 pontos e 02 assistências), 03. João Marcello Pereira (02 pontos), 04. Roberto Fagundes Filho (03 pontos), 05. Danilo Sena (14 pontos, 03 rebotes, 01 assistência e 01 bola recuperada), 08. Felipe Ruivo (13 pontos, 04 rebotes, 02 assistências e 02 bolas recuperadas), 10. Danilo Penteado (02 rebotes), 11. João Vitor dos Santos (04 pontos, 03 rebotes e 01 assistência), 12. Dikembe André (19 pontos, 13 rebotes, 01 assistência, 03 bolas recuperadas e 02 bloqueios), 13. Douglas Silva, 14. Guilherme Abreu (07 pontos, 06 rebotes, 01 assistência, 01 bola recuperada e 01 bloqueio), 19. Pedro Nunes (11 pontos, 03 rebotes e 01 bolas recuperadas) e 24. Paulo Henrique Scheuer (02 pontos).


Já a comissão técnica brasileira contou com estes profissionais: Clóvis Roberto Rossi Haddad (coordenador/preparador físico), Leonardo Figueiró Alves (técnico), Fernando José de Oliveira Pereira (assistente técnico) e Silvanio Miranda Signoretti Junior (fisioterapeuta).


“Quero parabenizar os atletas e a comissão técnica, que encarou esse seu primeiro desafio na Seleção Brasileira com hombridade e muita eficiência, honrando a nossa camisa. A equipe realizou uma excelente campanha, que culminou nesta conquista invicta; a segunda seguida nesta categoria”, comentou Guy Peixoto Jr, presidente da Confederação Brasileira de Basketball (CBB).


A campanha brasileira nesta competição foi perfeita, com 100% de aproveitamento: vitórias sobre o Paraguai (109 a 55) e Uruguai (78 a 67) na fase inicial. Em seguida, novo êxito, desta vez contra o Chile, na semifinal (102 a 55).

4 visualizações

​​​​© 2020 desenvolvido por Market21 Comunicação - Todos os direitos reservados